OMVC - Organização Multidisciplinar de Capacitação e Voluntariado

Dignitá, cuidando das famílias dos nossos educandos

dignita-6

Esperando na antessala por um intervalo na agenda da Míriam, nossa assistente social, temos uma boa noção do volume de trabalho do Dignitá. A rotina é puxada, e a todo momento vemos pais e mães chegando e para serem atendidos. Os problemas são sérios e as histórias são tristes. Já faz muito tempo que estas pessoas foram deixadas de lado pela sociedade, longe de atendimentos básicos, distantes de qualquer possibilidade de melhorar a vida, presas em condições de risco e vulnerabilidade social.

E é por isto mesmo que o Dignitá não para. Nós da OMCV sabemos que o desempenho da criança e do adolescente é diretamente proporcional à sua realidade familiar, e o Dignitá atua diretamente neste espaço, tratando as relações familiares, o risco dentro de casa e a vulnerabilidade a que nossos educandos ficam expostos a maior parte dos dias.

Bastam poucos minutos de conversa com a Míriam para percebermos a mudança que o Dignitá traz para as nossas crianças e adolescentes. São vários os casos de crises familiares, abandono, violência e humilhações que foram tratados através da intervenção do Dignitá. A maior parte das vezes, tudo é mantido em sigilo para resguardar os educandos e seus familiares. No entanto, vez ou outra surge uma história que podemos contar. E é sempre bom ouvir sobre uma situação de risco que foi evitada e um problema que foi resolvido. Isto anima a gente e nos assegura de que estamos no caminho correto. Também nos motiva a redobrar os esforços. O relato abaixo é um destes bons exemplos.

Membro de uma família desestruturada, o pré-adolescente R. se envolveu em uma briga em casa e tomou a decisão de passar a morar nas ruas, ficando ausente das atividades do nosso projeto social parceiro por quase uma semana. Quando finalmente foi encontrado, relatou que estava decidido a ir morar com uma pessoa que se dizia disposta a “acolhê-lo” e “adotá-lo”, mesmo sem o consentimento da família ou da Vara da Infância e da Juventude, um claro risco de tráfico humano. O Dignitá, então, entrou em ação, procurando a família e protegendo R. Foram realizados encontros entre o educando e sua família, com o intúito de mediar o conflito e propor regras de convivência. R. aceitou  voltar para sua casa e assumir responsabilidades. Um canal de comunicação foi aberto na família e a situação de risco iminente foi evitada. R. retornou ao convívio dos familiares e do projeto social e sua situação passou a ser acompanhada mais de perto. O pior passou e o futuro novamente está cheio de possibilidades.

É assim com o Dignitá. Ele está lá no início da corrente de multidisciplinaridade da OMCV. É uma parte essencial das ações que vão se entrelaçando com o objetivo de livrar nossos educandos da situação de vulnerabilidade em que vivem.

O trabalho é árduo, mas a gente não desiste. E pra ficar ainda melhor, só falta a sua participação.

Vamos juntos lutar por estas crianças e adolescentes!

Vale a pena!

Míriam e uma mãe durante atendimento no Projeto Reconstruir.