OMVC - Organização Multidisciplinar de Capacitação e Voluntariado

Ele está subindo no conceito!

 

Abrigado em uma das casas do Projeto Criança Feliz, JPS, 17 anos, foi atendido pela OMCV durante um ano. O projeto atende crianças e adolescente em regime de acolhimento e é parceiro da OMCV já há dois anos. As crianças e adolescentes que vivem nas casas do Crianças Feliz geralmente passaram por algum tipo de ruptura traumática com sua família ou são provenientes de um contexto de alta vulnerabilidade. Quase sempre, o sofrimento experimentado por eles afeta diversas dimensões do desenvolvimento, inclusive a cognitiva, que, por sua vez, interfere negativamente no desempenho escolar.

Esse era o caso de JPS. No início de 2014, o educando apresentava indicadores de potencial de aprendizagem muito abaixo do esperado. No Programa Aprender a Aprender (cujo foco é o desenvolvimento cognitivo), JPS demonstrava baixíssima concentração e várias limitações no uso de estratégias. Seis meses depois, vários destes indicadores já apresentavam uma melhora. O aluno, por exemplo, começava a apresentar um comportamento mais otimista, mesmo diante de dificuldades. No programa Ciranda do Coração (com foco cognitivo e emocional), o aluno apresentou melhoras em quase todas as competências sociocognitivas, inclusive em autonomia e na precisão nas respostas.

JPS também participou do Só-Letrar, programa da OMCV subsidiado pelo Fundo Municipal do Direito da Criança e do Adolescente (FMDCA) que tem por objetivo fornecer formação complementar na área de letramento e alfabetização. Novamente, JSP, já no segundo semestre de 2014, apresentava melhoras nas principais competências básicas esperadas, no domínio da leitura, escrita e interpretação de textos.

O impacto dos programas da OMCV na vida de JPS foi tão expressivo, que, segundo a psicóloga responsável pela casa onde o aluno mora, “JPS passou do E para C na Educação de Jovens e Adultos”. “Isto já foi um avanço considerável”, continua, “e temos certeza de que foi o trabalho da OMCV, porque a própria escola disse que deve ter acontecido algo para ele evoluir tão bem.”