OMVC - Organização Multidisciplinar de Capacitação e Voluntariado

OMCV Expedição Moçambique

111

A OMCV está em sua primeira expedição educacional internacional, e o país destino desta viagem é Moçambique. Começando no último dia 3 de setembro, Gracie Pires, nossa presidente, e Igor Miguel, nosso coordenador pedagógico, estão visitando a província moçambicana de Sofala, em contato com missionários cristãos que presidem iniciativas em prol do desenvolvimento comunitário e educacional na região.

A OMCV desembarcou em Beira, segunda maior cidade de Moçambique, no dia 3 e foi recepcionada carinhosamente pelos missionários brasileiros Breno e Sabrina Vieitas, responsáveis pela implantação e direção de uma base missionária engajada na transformação, educação e desenvolvimento de Nhamatanda, uma importante vila no corredor que liga a cidade de Beira a Harare, capital do Zimbábue.

Nhamatanda é uma vila predominantemente agrícola com uma atividade comercial crescente.  Sua população, em geral, se organiza de forma tribal. A maioria das pessoas mora no que chamam de matchessa, uma espécie de “oca” com paredes de barro e telhado de palha.  Outras moram em matops, moradias equivalentes às casas de sapé de algumas regiões do Brasil. São pouquíssimas as pessoas que moram em casas de alvenaria.

Nas matchessas não há luz nem banheiro interno. Os espaços para banho e para uso sanitário são externos, geralmente pequenas áreas cercadas com bambu e palha. Não há água encanada, apenas poços artesanais. Uma vez que não há um sistema de saneamento básico, estes poços contam com um relativo risco de contaminação.

Nesta primeira fase da expedição, estamos hospedados na casa dos missionários que coordenam e dirigem a Casa de Aser, uma das bases do Centro de Missões Urbanas (CEMU), projeto social parceiro da OMCV, com sede em Belo Horizonte.

A Casa de Asser é um complexo de transformação comunitária, baseado no atendimento integral de crianças e adolescentes em Nhamatanda. Ele vem sendo construído através de contribuições voluntárias oriundas, em sua maioria, do Brasil. Atualmente, nas instalações já construídas, são ministradas aulas de português, inglês, reforço escolar e futebol, tanto por professores nativos quanto por brasileiros. A quantidade de crianças atendidas pela escola da Casa de Aser é impressionante. O atendimento se estende a alunos entre as faixas de 6 – 16 anos e todos demonstram muito interesse nas atividades realizadas.

E onde é que a OMCV entra nessa história?

Com o objetivo de trabalhar pela formalização do projeto educacional da Casa de Aser, e seu consequente reconhecimento pelo governo moçambicano, e por uma escola que atenda com qualidade as complexas necessidades educacionais da comunidade local, a OMCV e o CEMU têm estudado e discutido seriamente a ampliação da parceria já existente.

A OMCV tem dedicado esses dias ao estudo antropológico e à compreensão das peculiaridades culturais da comunidade de Nhamatanda, refletindo sobre a viabilidade do aprofundamento desta já tão fecunda parceria. Com este objetivo, temos realizado entrevistas com educadores locais e coletado dados sociológicos. Em conversas com nativos e missionários, temos recebido preciosas informações sobre o sistema educacional moçambicano, a forma de organização dos vilarejos, e as tradições e expressões utilizadas pelos principais dialetos locais.

A expedição da OMCV em Moçambique continua. Aguarda mais informações sobre esta fascinante nação.